Participei nesta sexta-feira, 8, de uma audiência pública para discutir os impactos da construção da Usina Baixo Iguaçu para agricultores, ribeirinhos e comerciantes de Capanema e região.

A reunião foi convocada pela Câmara de Vereadores de Capanema e reuniu moradores do município, representantes do Movimento por Atingidos por Barragens (MAB), prefeitos da região e deputados estaduais.

Eu acompanho essa luta desde 2012, quando o projeto da construção da Usina do Baixo Iguaçu chegou na Assembleia Legislativa. A construção da Usina teve início em julho de 2013 e entrou em funcionamento no ano de 2018.

Desde então, os atingidos cobram o reassentamento, condições dignas de recomeçar a vida e indenizações para as famílias que sofrem com as inundações desde que a barragem entrou em funcionamento, até hoje os agricultores não tem acesso ao lago para o manejo do gado.

Sem contar que vários aspectos sociais não foram levados em conta durante esses anos, como as relações em comunidade, muitas famílias perderam sua vizinhança de longos anos.

Houve a esperança que a Usina do Baixo Iguaçu traria desenvolvimento econômico para a região, mas o que vemos é o abandono, o abandono das famílias, o abandono do turismo. Os atingidos alegam que os programas que deveriam atender as comunidades só existem no papel e nos relatórios apresentados para o governo.

Em fevereiro deste ano, estive com um grupo de atingidos e vereadores do município de Capitão Leônidas Marques em reunião na Casa Civil, momento em que entregamos a pauta com as reivindicações e estes mesmos problemas discutidos na audiência pública de hoje. Mesmo assumindo a responsabilidade de responder as demandas apresentadas não houve qualquer manifestação do governo.

Entendo que o estado tem a responsabilidade de ajudar nesses casos, por isso sugeri a realização de mais uma audiência com o governador, a Copel, a Agência Nacional de Energia (Anel) e o Consórcio responsável, para que possamos encontrar soluções definitivas para os impactos que foram causados à população e aos municípios.

Continuarei lutando para que os direitos das famílias estejam plenamente assegurados .

Contem com meu trabalho!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *