Curitiba, PR (27/03/2006) – Enquanto acontecia a reunião de ministros do Meio Ambiente de mais de 100 países no Estação Embratel Convention Center, em Curitiba, evento que foi aberto oficialmente nesta segunda-feira (27/03) pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a Fetraf-Brasil reuniu cerca de 700 manifestantes do lado de fora do Shopping Estação para deixar seu recado aos visitantes internacionais: “A agricultura familiar brasileira não quer produzir transgênicos, mas, sim, de forma autônoma, continuar cultivando sementes e alimentos saudáveis – orgânicos, crioulos e agroecológicos”, disse o coordenador da atividade, Marcos Rochinski, em nome da Federação. O protesto pacífico realizou a queima simbólica de três sacas (de 60 Kg cada) de soja transgênica em plena avenida 7 de setembro, em frente à Praça Eufrásio Correia, onde fica a Câmara Municipal de Curitiba. Após esse ato, agricultoras e agricultores das regiões Centro-Sul, Sudoeste e Vale do Ribeira fizeram uma caminhada em direção ao Centro Cívico. A deputada estadual Luciana Rafagnin (PT) e o seu colega de partido, deputado Pedro Ivo Ilkiv, participaram da manifestação da Fetraf-Brasil. Do lado de dentro do Shopping Estação, outros petistas ganhavam destaque por sua participação no evento oficial da Organização das Nações Unidas (ONU) na programação da COP-8: o próprio Presidente da República, acompanhado dos seus ministros de Estado Marina da Silva (Meio Ambiente), Celso Amorim (Relações Exteriores) e Paulo Bernardo (Planejamento, Orçamento e Gestão). Além do protesto contra os transgênicos, se juntaram ao ato público agricultores, sindicalistas e ambientalista contrários à construção da usina hidrelétrica de Tijuco Alto na região do Vale do Ribeira, entre os estados de Paraná e São Paulo.

Compensação – Uma vez no Centro Cívico, os agricultores e as agricultoras familiares acompanharam a sessão plenária da Assembléia Legislativa do Paraná de hoje e puderam deixar seu recado também no Parlamento, desta vez em apoio ao projeto de lei do deputado Pedro Ivo, que pretende instituir uma recompensa ambiental aos proprietários rurais que preservarem as florestas existentes em suas áreas para além dos 20% da chamada “reserva legal”. Para o coordenador da Fetraf-Sul no Paraná, Marcos Rochinski, o movimento sindical pretende ir mais longe ainda nessa discussão. Ele parabenizou a iniciativa do deputado petista em abrir a discussão desse tema no Estado e disse que a Federação é parceria na construção de políticas de proteção ambiental que preservem e respeitem a natureza, mas, também, que assegurem qualidade de vida e a geração de renda aos produtores. Rochinski foi muito aplaudido na sessão quando disse que, “quem historicamente destrói a natureza é o latifúndio, com sua ganância e sua sede de lucro”. “Se tivéssemos tido a consciência que a agricultura familiar tem no manejo e na preservação dos recursos naturais, não estaríamos precisando criar parques nacionais com o intuito de salvar o pouco que resta das nossas florestas”, argumentou o sindicalista.

A deputada Luciana Rafagnin também fez uso da palavra durante a sessão legislativa e apoiou a luta dos agricultores familiares. Ela, que é agricultora familiar em Francisco Beltrão, no Sudoeste do Estado, lembrou da importância que tem o projeto do seu colega e disse que “a responsabilidade de cuidar do meio ambiente não é só dos agricultores, mas de toda a comunidade” e que é neste ponto que se justifica a instituição de uma política de compensação pautada no desenvolvimento sustentável. “O Paraná, que sai na frente na rotulagem dos organismos geneticamente modificados, também pode dar o exemplo com esse modelo de compensação aos agricultores”, concluiu Luciana. No final da tarde, uma comissão de agricultores foi ao Palácio Iguaçu, sede do governo estadual, onde teve uma audiência com o vice-governador e secretário da Agricultura, Orlando Pessutti. Os deputados Pedro Ivo e Luciana Rafagnin também participaram de mais esta agenda da Fetraf na capital paranaense.

Jornalista: Thea Tavares (MTb 3207-PR)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *