Curitiba, PR (11/10/2005) – Na próxima quinta-feira (13/10), a Delegacia Federal do Ministério do Desenvolvimento Agrário (DFDA-PR), a Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento (Seab) e a Emater-PR, juntamente

Curitiba, PR (11/10/2005) – Na próxima quinta-feira (13/10), a Delegacia Federal do Ministério do Desenvolvimento Agrário (DFDA-PR), a Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento (Seab) e a Emater-PR, juntamente com as organizações da agricultura familiar e prefeituras, realizam atos públicos nos municípios de Realeza, Dois Vizinhos e Chopinzinho, na região Sudoeste do Paraná, para discutir e orientar os agricultores familiares sobre as ações públicas de proteção e inclusão social das vítimas da estiagem que castigou as lavouras do Sul do Brasil no início deste ano. Em Realeza, o ato público acontecerá às 9h na Casa da Cultura. Às 11h, o evento será em frente à agência do Banco do Brasil de Dois Vizinhos e, às 14h, no Centro Social São Francisco de Assis em Chopinzinho. Já confirmaram sua presença nessas atividades o secretário nacional da Agricultura Familiar, Valter Bianchini, o delegado federal do Desenvolvimento Agrário no Paraná, Reni Antônio Denardi, e os deputados petistas Luciana Rafagnin (estadual) e Assis Miguel do Couto (federal).

Salvação da lavoura – Entre as ações públicas que estão em pauta encontram-se a destinação de aproximadamente 100 milhões de reais do seguro da Agricultura Familiar (o Proagro Mais) do governo federal para mais de 30 mil famílias no estado. São famílias que tiveram mais de 30% de perdas comprovadas sobre a produção média esperada. O Proagro Mais cobre as lavouras que, no zoneamento agrícola, são financiadas com o amparo do Pronaf, como as de milho, feijão, soja, algodão e arroz. Em toda a região Sul do Brasil, mais de 200 mil famílias sofreram prejuízos com a seca deste ano e, por meio de duas Medidas Provisórias, o governo federal vem garantindo o pagamento do seguro da agricultura familiar que soma mais de 800 milhões de reais nesses três estados.

Por meio de parceria dos governos federal e estadual, as famílias de agricultores que sofreram perdas superiores a 50% da produção média esperada com a seca e não contrataram crédito de custeio pelo Pronaf estão também sendo socorridas pelo Bolsa Estiagem, que é um auxílio emergencial financeiro. O Bolsa Estiagem está sendo pago através das agências do Banco do Brasil no período de 5 de outubro a 29 de novembro e corresponde ao valor de R$ 500,00 por família beneficiada. Destes, R$ 300,00 são oriundos do governo federal e R$ 200,00, do governo estadual. No Paraná, 13.362 famílias de agricultores pobres de 83 municípios estão sendo beneficiadas com o Bolsa Estiagem, o que representa um volume de recursos de pouco mais de R$ 4 milhões do governo federal e R$ 2,67 milhões do estadual. A seleção das famílias beneficiadas foi realizada pelos conselhos municipais de Desenvolvimento Rural, a partir de cadastro feito pela Emater-PR. A lista desses beneficiados (nome e CPF) está disponível na página do Pronaf na Internet: www.pronaf.gov.br.

O município de Realeza foi um dos que decretou situação de emergência com a estiagem do início do ano e que teve as suas lavouras bastante prejudicadas pela seca. O prefeito municipal, Eduardo Gaievski, comemora as ações dos governos em socorro às famílias atingidas. “Só em Realeza, são 100 famílias beneficiadas com o Bolsa Estiagem. No município vizinho de Santa Izabel do Oeste, outras 150. Além desse socorro, o evento irá marcar a liberação dos recursos do Pronaf para a próxima safra: mais de 900 produtores tomaram o crédito e isso resulta em R$ 1,6 milhão aplicados no município para impulsionar o desenvolvimento sócio-econômico local”, comenta o prefeito.

O delegado federal do Desenvolvimento Agrário no Paraná, Reni Denardi, assinala que a intenção do governo federal não está só em resolver os problemas emergenciais, mas que o apoio sirva de incentivo para que as famílias beneficiadas com o Bolsa Estiagem, daqui pra frente, passem a acessar o Pronaf Custeio, Grupo C, e fiquem, no futuro, amparadas pelo seguro da agricultura familiar em caso de novas frustrações. “Para os agricultores que encontram maior dificuldade em tomar o crédito de custeio, a alternativa seria a da contratação do Pronaf Investimento – Grupo B, que é uma linha de microcrédito do governo federal. Dessa forma, queremos evitar de, todos os anos, voltarmos a tratar desse problema no âmbito da situação emergencial. Temos de nos antecipar, assegurando com responsabilidade a produção de alimentos e a geração de renda das nossas famílias produtoras”, informa Denardi.

Na sexta-feira (14/10), ocorrem atos públicos também nos municípios de Pitanga, Palmital e Rio Bonito do Iguaçu. Já foram realizados eventos similares em União da Vitória, Cruz Machado e Bituruna.

Jornalista: Thea Tavares (MTb 3207-PR)

Contatos: Reni Antônio Denardi – DFDA-PR – (41) 3360-6562 / (41) 3360-6565

Prefeito de Realeza Eduardo Gaievski – (46) 9975-1141 e (46) 3543-1122.

Deputada Estadual Luciana Rafagnin – (41) 3350-4087 / 3252-4314. No escritório de Francisco Beltrão: (46) 3524-0939 – ou na Internet: www.lucianapt.org / rafagnin@pr.gov.br.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *