“Querem sangrar o Lula, mostrar que um metalúrgico não dá certo, impedir que ele sequer sonhe em ser candidato em 2006”, jornalista Mino Carta. A crise vivida hoje pelo Brasil não é meramente política. É moral e intelectual, decorrente das

“Querem sangrar o Lula, mostrar que um metalúrgico não dá certo, impedir que ele sequer sonhe em ser candidato em 2006”, jornalista Mino Carta. A crise vivida hoje pelo Brasil não é meramente política. É moral e intelectual, decorrente das grandes desigualdades sociais do país. E o tamanho dos escândalos é menor que o propagado pela mídia. Com afirmações contundentes como essas, o jornalista Mino Carta, 71 anos, fez palestra na manhã desta terça-feira (20), na reunião da Escola de Governo. Mino Carta criticou duramente a mídia e a elite brasileira, e também repudiou a política neoliberal, na área econômica, adotada pelo Governo Federal.

“Os dados nos mostram a desigualdade nesse país, ponto crucial desta situação que vivemos. Menos de 10% da população têm 60% dos bens; somos vice-campeões em má distribuição de renda. Nesse cenário, como a mídia haveria de ser melhor que o país? Ela sempre serviu ao poder, às elites que são as responsáveis por essa desigualdade e por essa crise”, disse o jornalista.

Destruição – Para Mino Carta, atualmente proprietário da revista semanal Carta Capital, e que foi um dos fundadores de publicações como Quatro Rodas, Veja, Jornal da Tarde e Jornal da República, o papel desempenhado pelos veículos de comunicação atualmente tem sido o de por abaixo a imagem do presidente Lula e o da gestão do PT, com o intuito de destruir qualquer possibilidade de um governo de esquerda.

“Essa crise hoje, em volume de recursos financeiros que vêm sendo falados, está longe de ser a maior crise da nossa história. Querem sangrar o Lula, mostrar que um metalúrgico não dá certo, impedir que ele sequer sonhe em ser candidato em 2006”, salientou Carta.

*** Fonte: Extraído da página do governo do Paraná na Internet. A íntegra do texto está em http://www3.pr.gov.br/e-parana/.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *