Segundo dados da Confederação Nacional da Indústria, números de funcionários no setor cresceu 5,99% em setembro em relação ao mesmo mês de 2003. Os indicadores industriais divulgados nesta terça-feira (9) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostram uma forte recuperação do mercado de trabalho. Em setembro, o total de empregados apresentou alta de 5,99% na comparação com o mesmo mês de 2003 – superando o recorde histórico –, e de 0,78% em relação a agosto deste ano. Entre janeiro e setembro, o indicador subiu 2,41%.

“Essas taxas de crescimento do emprego industrial superam inclusive as do primeiro ano do Plano Real, período de maior dinamismo da atividade econômica”, afirma o documento da CNI. No mês, o emprego cresceu nos 12 Estados pesquisados, com destaque para as indústrias de Pernambuco, Espírito Santo e Amazonas.

O contingente de trabalhadores na indústria cresceu em todos os meses de janeiro a setembro, sendo que, desde junho, a um ritmo superior a 0,7% ao mês. No último trimestre (julho a setembro), o crescimento chegou a 5,01% em comparação a igual trimestre de 2003. O recorde anterior era de 2,51%, verificado no primeiro trimestre de 2001.

A massa salarial também registrou bom desempenho. O salário líquido real aumentou 1,04% em setembro sobre agosto e 11,09% na comparação com o mesmo mês do ano passado. Segundo a CNI, desde 1995, com a estabilidade dos preços, não se observava crescimento de dois dígitos nessa base de comparação. A Confederação informa que existe uma trajetória consolidada de recuperação da renda dos trabalhadores, que se estende por 18 meses. No acumulado do ano, o percentual de crescimento é de 8,48%.

Os indicadores de horas trabalhadas caíram em 1,46%, na comparação mensal. Segundo a nota da CNI, a queda registrada em setembro se deve ao fato do mês ter um dia útil a menos. No acumulado do ano, o indicador subiu em 5,43% e em relação mesmo mês de 2003, 7,33%. A pesquisa é realizada mensalmente com três mil empresas de 12 estados.

As informações são da CNI e da Agência Brasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *